FOTO_COMEC%25CC%25A7A_AGORA_E_PAGA_QUAND

Dia Mundial da Incontinência Urinária

Incontinência urinária define-se como a perda involuntária de urina pela uretra. Está associada ao facto de existir um enfraquecimento dos músculos do pavimento pélvico (músculos que são responsáveis pela continência urinária) ou então a uma tensão muscular exagerada. Afeta 1 em cada 5 portugueses com mais de 40 anos, sendo que apenas 10% pede ajuda médica.


Fatores de Risco:

A incontinência urinária pode afetar qualquer pessoa e qualquer género, mas verifica-se uma maior incidência em certos grupos. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de incontinência urinária:

- Gravidez;

- Parto;

- Multiparidade;

- Prolapso dos órgãos pélvicos;

- Menopausa;

- Idade;

- Radioterapia;

- Obesidade;

- Obstipação;


Tipos de incontinência urinária

Dependendo da forma como esta se apresenta, existem três tipos principais de incontinência:

Incontinência de esforço: Exterioriza-se por perdas de urina na sequência de atos como espirrar, rir, tossir, saltar ou carregar pesos;


Incontinência por urgência: Perda de urina de forma repentina e é acompanhada por uma vontade súbita de urinar.


Incontinência mista: Perdas de urina que combinam os sintomas de incontinência de esforço e por urgência.


Tratamento

O tratamento numa primeira fase passa pela fisioterapia pélvica, reabilitando e reeducando os músculos do pavimento pélvico. Noutros casos será necessário optar por cirurgia.


Vamos desmistificar este problema, assumir a disfunção e tratar a incontinência urinária! Não desvalorizes, nem sofras em silêncio! Se tens perdas de urina não tenhas vergonha e procura uma fisioterapeuta de reabilitação pélvica.


3 visualizações0 comentário